segunda-feira, 13 de julho de 2015

PSICOLOGIA APLICADA AO TÊNIS DE MESA

I - INTRODUÇÃO - enquanto ciência que estuda os fenômenos relacionados à explicação do ser humano, bem como à interpretação de si mesmo e do mundo que o cerca, a Psicologia fornece conhecimentos que não podem ser desprezados por qualquer mesatenista que busca o alto rendimento.

II - O PROBLEMA - frequentemente deparamo-nos com atletas bem preparados fisicamente, de alto nível técnico, mas que por instabilidade emocional, em decorrência de os jogos de tênis de mesa serem bastante rápidos, comprometem os seus resultados.  Ou ainda, diversas vezes avistamos atletas que desconhecem o seu nível, ou que trazem para o local de treino ou jogo problemas extra-esportivos, que os fazem acelerar drasticamente os seus movimentos no intuito de demonstrar habilidades que não possuem e acabam comprometendo o seu treinamento, e pior, o do seu parceiro de treino.

III - PIRÂMIDE DAS NECESSIDADES PSICOLÓGICAS - IDENTIFICAÇÃO  E  REALIZAÇÃO  DO  OBJETIVO


Resultado de imagem para pirâmide das necessidades de maslow
Mas qual a importância da pirâmide das necessidades psicológicas para o tênis de mesa?

Em primeiro lugar, não adianta treinar ou jogar doente, já que o primeiro estágio das necessidades fisiológicas, a consciência de que o organismo está funcionando bem não se encontra atendido;

Ademais, de nada vale treinar senão se conta com uma estrutura adequada, segura, protegida, capaz de proporcionar evolução;

Importante, ainda, ressaltar a necessidade de construção de vínculo afetivo entre os parceiros de treino, de clube, para possibilitar a construção de um ambiente saudável, onde todos almejem idêntico objetivo, a evolução do nível, melhores resultados nas competições;

A partir da satisfação progressiva das necessidades psicológicas anteriores vamos avançando, até atingirmos o respeito mútuo; e, por fim, iremos alcançar o objetivo traçado juntamente com o nosso técnico, que varia consoante o nível do atleta: ganhar do parceiro de treino, ser campeão dos jogos escolares, do ranking de sua categoria, sergipano, brasileiro, mundial.

O importante é destacar que não se chega ao estágio de realizar sem passar pelos estágios anteriores.

IV - ESTRATÉGIAS PARA A OBTENÇÃO DE MELHORES RESULTADOS

A - CONCENTRAÇÃO - a preparação psicológica para cada partida começa muito antes do jogo em si.  Quando se conhece o adversário é ideal que seja montado um plano de jogo (juntamente com seu técnico) que inclua, no mínimo, como devo sacar ou recepcionar contra o adversário, que deve ser mentalizado nos momentos que antecedem a partida, com a utilização de simulações mentais dos pontos futuros (devemos imaginar o percurso de alguns pontos, no mínimo um servindo e outro recepcionando, até a sua conclusão), pois isto facilitará a conquista dos pontos, vez que somos o que pensamos conforme DESCARTES: "Penso, logo existo", de modo que a vitória existirá como reflexo da mentalização dos pontos a partir do plano de jogo (da estratégia) traçada.  Muito importante durante a mentalização, que deve ocorrer nos instantes que antecedem a partida, de preferência durante o trajeto até a área de jogo, é que sejam evitados quaisquer pensamentos alheios àquela partida, posto que retirarão o foco (a concentração) no jogo, e provocará a dispersão mental, e, em consequência, surgirá um obstáculo além de seu adversário, a tua própria negligência (já basta o adversário contra a nossa vitória);

B - TRANQUILIDADE - vale para todas as situações da vida, mas no tênis de mesa a calma é ainda mais importante porque o jogo é muito rápido. Os pontos são disputados muito rapidamente e a depender do descontrole emocional, não será possível recuperar. Necessário que o atleta exercite a paciência desde o treinamento. De nada adianta começar o treino de batida ou xoto numa velocidade incapaz de proporcionar sequência, e ficar xingando, lamentando-se ou vociferando. CALMA, errou, o treino é para isso mesmo, muito pior é errar no jogo. Depois, com o passar do tempo, a tendência é melhorar, aumentar a sequência a partir da definição dos movimentos, para proporcionar um melhor aproveitamento do treinamento para si e para o parceiro. Também de nada adianta reclamar, durante o jogo, das más condições do piso, da bola, da borracha, da madeira, dos anteparos, de iluminação - este papel é do dirigente, do técnico, não do atleta durante o jogo - que determinaram a derrota, pois é preciso aceitar os fatos, somente um ganha, e somos humanos, imperfeitos, posto que tais reclamações apenas retirarão a paz de espírito do mesatenista;

C - ESTÍMULO DOS SENTIDOS COMO ALIADOS NAS VITÓRIAS - o ser humano apreende a realidade através dos sentidos: no tênis de mesa assumem especial importância a visão, a audição e o tato. Eles devem ser utilizados como parceiros no conhecimento do caminho a ser percorrido para encontrar o ponto fraco do adversário.  Quando você conhece o adversário a tarefa é mais fácil, mas se não conhece, há algumas possibilidades de conhecer como ele joga.  Antes de começar o jogo, por exemplo, não abra mão de pedir para ver a raquete de seu adversário, é seu direito, e vice-versa, assim, você perceberá se usa pino, borracha lisa, qual marca, raquete de carbono, redonda, assim sucessivamente.  Obviamente, desde o aquecimento, ou mesmo antes, você já deve ter visualizado a forma física de seu oponente.  Durante todo o tempo preste atenção na atitude de seu adversário, pois quando ele demonstrar instabilidade, com gritos, xingamentos, lamentações, será a hora de disparar no placar, pois perdeu o foco (a concentração), postura que você deve evitar ao máximo, sob pena de, inclusive, sofrer sanções disciplinares;

D - JAMAIS  MENOSPREZE  QUALQUER  ADVERSÁRIO - quando um atleta, julgando-se melhor, antecipa o resultado de jogo futuro, já pensando no oponente que enfrentará em etapa futura do torneio, sendo que ainda se encontra na primeira fase, por causa do conhecimento dos pontos que detém em relação aos dos demais oponentes, ou porque já jogou e venceu os demais; além de ter de vencer os seus adversários terá de superar outro novo obstáculo, agora muito difícil, porque instalado dentro de si mesmo, um conceito prévio que criou em sua mente que muitas vezes não é reproduzido na realidade por vários fatores, por exemplo: os demais atletas podem ter evoluído, você ficou tão relaxado que sequer aqueceu antes do jogo, os oponentes trocaram de material e você nem percebeu, dentre outros.  Aliás, o mundo real não se confunde com o mundo que imaginamos.  Então, não menospreze, concentre-se em jogar como sempre, buscando ganhar cada partida, e cada ponto - o jogo somente acaba quando termina: "Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu." (ECLESIASTES 3, 1)  - a seu tempo, posto ser o melhor caminho para a obtenção dos melhores resultados.


E - MOMENTO ADEQUADO PARA PEDIR TEMPO - a postura psicológica do mesatenista deve ser de tranquilidade, ainda porque, bem treinado, nutrido e preparado fisicamente, conhecedor dos pontos fracos de seu adversário, a vitória tende a ocorrer.  Mas se no início do jogo os golpes não surtirem o efeito esperado, aproveite cada oportunidade para usar a toalha, de seis em seis pontos, desde que o seu adversário não perceba, pense na melhor forma de reverter a situação, pense sempre antes de sacar ou receber na maneira mais fácil de ganhar cada ponto, e, se a situação de dificuldade persistir, não restará outra alternativa senão pedir tempo para evitar que o oponente deslanche no placar a ponto de impedir a reversão do resultado.

F - EVITAR PENSAR NAS CONSEQUÊNCIAS DAS PARTIDAS ANTES QUE TERMINEM - o jogo de tênis de mesa é muito rápido e somente acaba quando termina, o que parece óbvio, mas frequentemente os mesatenistas são tentados durante o jogo a pensar, antes de o jogo terminar, no filho ou filha recebendo a medalha ou o troféu que o papai ou a mamãe ganhou, pensamento natural, dentre outros, principalmente quando se está ganhando de 2 x 0, e o jogo é de melhor de 5 sets, pensamento que deve ser evitado, porque fará com que o mesatenista perca o foco (a concentração) no jogo, o que resultará em erros, e, frequentemente, provocará a melhora do adversário, que, não raro, consegue virar a partida; assim também como deve ser evitado o pensamento sobre as consequências da derrota, enquanto o jogo ainda estiver acontecendo, quantos pontos vou perder, por exemplo. O foco (A concentração) deve estar sempre no jogo, até o final, inclusive, para poder lembrar do que fazer após o jogo, por exemplo, alongar para a próxima partida, ou para evitar um desgaste do corpo.

V - CONCLUSÃO

Nenhum comentário:

Postar um comentário